IREE Diálogos estreia com Ciro Gomes e casa cheia – IREE

IREE - Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa

Eventos

IREE Diálogos estreia com Ciro Gomes e casa cheia

Ciro Gomes, candidato pelo PDT à presidência da República nas últimas eleições, foi o convidado da primeira edição do IREE Diálogos, iniciativa do instituto que pretende reunir mensalmente nomes essenciais da intelligentsia brasileira e internacional.

Assista a apresentação completa aqui. 

Ciro Gomes fala sobre os desafios para o Brasil em evento do IREE

No evento realizado na Unibes Cultural na segunda-feira 11, diante de um auditório lotado, o ex-ministro respondeu a perguntas de Walfrido Warde, presidente do IREE, sobre política industrial, a necessidade de um ajuste fiscal, a Reforma da Previdência e o combate à corrupção.

Entre digressões a respeito da história do país e sugestões para tirar o Brasil da crise, Ciro não poupou críticas ao governo de Jair Bolsonaro, a quem classificou de “adolescente tuiteiro”.

“Esse é um dia feliz em que o instituto inaugura algo extremamente importante para nós, ou seja, um momento de diálogo sobre política, sobre o país, sobre o presente e o futuro do Brasil”, disse Warde.

Segundo Ciro Gomes, que iniciou sua exposição com um apanhado da história econômica do Brasil desde a industrialização, a iniciativa do IREE é importante como “tentativa de impor um método à babel da descomunicação que convivemos hoje”.

Estado forte

O pedetista defendeu o papel do Estado da economia e disse que não há exemplo no mundo onde o mercado livre tenha sido a solução para o desenvolvimento.

“Os americanos como potência não existiriam se não fosse o peso do Estado. O receituário que usaram para sair da depressão de 2008 é o oposto do que eles estão determinando que as autoridades brasileiras façam”, afirmou, em referência à estratégia dos EUA de expansão monetária com taxa de juros negativas.

Ele também ressaltou a necessidade de se pensar a relação das empresas com o Estado e afirmou que muitos setores votaram contra seus próprios interesses.

“O Paulo Guedes acha que qualquer subsídio é uma perversão que distorce o sistema de formação de preço. Se ele praticar o que defende, vai quebrar o agronegócio brasileiro”.

Desafios da economia

Ciro reafirmou a necessidade de se buscar um ajuste fiscal justo e criticou a proposta de Reforma da Previdência apresentada pelo governo federal, que, segundo ele, está repleta de imoralidades.

“Que moral vamos ter para pedir sacrifício do nosso povo quando o próprio presidente aumentou os gastos do cartão corporativo em 16% neste ano?”, perguntou.

No caso do combate à corrupção, o ex-ministro defendeu a criação de controles eficazes. Uma lei que regulasse o lobby, exemplificou, traria mais transparência e controle das relações entre o setor público e as empresas.

“Alguém aqui acha que qualquer assunto que envolva interesse econômico vai prosperar no Congresso Nacional sem o esforço de convencimentos dos interessados?”.

A conversa com Ciro, considera Warde, foi proveitosa e trouxe muitos ensinamentos. “Podemos perceber que a austeridade fiscal passa pela reinvenção do modelo de governabilidade do Brasil”.

 



Leia também