Feliz Brasil Novo! – IREE

Colunistas

Feliz Brasil Novo!

Erika Hilton

Erika Hilton
Deputada Federal



Finalmente, o Brasil voltou a ter um governo e o povo pode respirar de novo. O primeiro ano do governo Lula não foi fácil –  e ninguém disse que seria –  mas estamos encerrando esse período bem melhor do que começamos. Reconstruir um país depois de quatro anos de descaso, devastação e desgoverno exigiu muito trabalho de todas e todos – Executivo, Legislativo e Sociedade Civil Organizada. E estamos conseguindo.

Os preços dos alimentos e dos combustíveis caíram, a inflação está controlada e a geração de empregos formais aumentou – resultados que têm impacto direto na vida da população. Além disso, encerramos o ano com o crescimento do PIB acima das expectativas do mercado e com a aprovação da reforma tributária, pondo fim a uma espera de 40 anos para alcançar mais equidade e justiça social. Com a simplificação da cobrança de impostos sobre o consumo, corrigimos uma disparidade histórica – quem ganha mais, paga mais, e quem ganha menos, vai pagar menos –  além de incentivar o crescimento econômico. Foi, de fato, um primeiro ano de conquistas para o Brasil.

Fico muito feliz pela oportunidade de compor a base de um governo que prioriza a vida e as pessoas. No parlamento, seguimos com as mesmas diretrizes, porém enfrentando muita desinformação, baixaria e tentativas de restabelecer o caos social. Mas com proposições legítimas e urgentes, que refletem os anseios da sociedade e com o devido e eficiente trabalho de articulação, propusemos mais de 30 Projetos de Lei e conseguimos aprovar dois deles já no meu primeiro ano de mandato.

Aprovado em outubro, o PL 2245/23 cria a Política Nacional de Trabalho Digno e Cidadania para População em Situação de Rua, com o objetivo de promover os direitos dessa população ao trabalho, à renda, à qualificação profissional e à elevação da escolaridade. É um projeto que não está demarcado por “questões identitárias”, como dizem (como se todo mundo não tivesse sua própria identidade), mas que apresenta uma visão ampla sobre um conjunto de pessoas extremamente vulneráveis, e que inclui as lutas LGBTQIA+, da negritude, das mulheres, dos sobreviventes do sistema carcerário, dos que enfrentam a estigmatização pelo uso de substâncias, dos que perderam seus lares etc.

E em novembro, aprovamos o PL 380/23 que trata das cidades resilientes, determinando que todas as cidades brasileiras se planejem, se adaptem e tenham medidas integradas para mitigar os impactos das mudanças climáticas. Um projeto necessário e que salva vidas. Não futuramente, mas agora, pois já estamos enfrentando eventos climáticos extremos, dos quais sabemos muito bem quem são as principais vítimas – pessoas que vivem em áreas de risco, encostas, à beira de córregos e mananciais, com moradias precárias e que não podem deixar de trabalhar para ganhar seu sustento mesmo em situações que oferecem risco à saúde ou mesmo à vida.

Com o mesmo afinco, ainda atuamos em comissões (Direitos Humanos, Mulheres, Família e Segurança Pública), presidimos a Frente Parlamentar Mista por Cidadania e Direitos LGBTI+ e resistimos diariamente às ofensivas da extrema direita, com sua agenda de retirada de direitos e retrocessos. Mas não retrocederemos. Avançaremos cada vez mais rumo a um país e uma sociedade mais justa e equânime, em que caibamos todas nós e todas as formas de ser e de existir. Estamos apenas começando. Não toleraremos um Brasil em que não estejamos representadas e ocupando os lugares de poder e decisão. 

Feliz Ano Novo! Feliz Brasil Novo! 



Os artigos de autoria dos colunistas não representam necessariamente a opinião do IREE.

Erika Hilton

Primeira Deputada Federal negra e trans eleita na história do Brasil. ‌Foi vereadora da cidade de São Paulo, tendo sido a mais votada das eleições municipais de 2020. Na cidade, foi autora da Lei que criou o Fundo Municipal de Combate à fome e presidiu a primeira CPI que investigou origens e causas das violências contra pessoas trans e travestis. Presidenta da Frente Parlamentar Mista por Cidadania e Direitos LGBTI+ do Congresso Nacional e vice presidente da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial. Erika foi nomeada 2 vezes pela Revista TIME como uma das 100 lideranças da nova geração, em 2021 e em 2023, entrou para a lista das 100 pessoas afrodescendentes mais influentes do mundo, e uma das cinco ativistas globais premiadas pela luta na defesa da comunidade LGBTQIA+ pelo MTV European Music Awards.

Leia também