As guerras e o recorde de gasto militar global – IREE

Análises e Editorial

As guerras e o recorde de gasto militar global

O contexto de guerras e conflitos impulsionou os gastos militares no mundo. Segundo o relatório anual do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), do Reino Unido, essa despesa chegou a US$ 2,2 trilhões em 2023, aumento de 9% em relação ao ano anterior. O montante está em seu o maior patamar desde a 2ª Guerra Mundial.

O destaque foi o crescimento dos orçamentos dos países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), grupo que apoia a Ucrânia na guerra com a Rússia. Os Estados Unidos lideram o gasto militar global com 41% do total. O país é seguido da China, com 10%, Rússia, com 5%, e os países da Otan (exceto EUA), com 8,5%.

Países como Polônia e Índia estão aumentando seus investimentos em defesa, enquanto a Alemanha enfrenta críticas por seus gastos relativamente baixos. O Brasil subiu de 15º para 14º no ranking.

‌O IISS prevê um novo aumento do gasto militar global em 2024 e diz em seu relatório que o mundo entrou em um “ambiente de segurança altamente volátil” no ano passado, e que a situação de segurança militar pressagia o que provavelmente será uma década mais perigosa.

‌“Os novos dados mostram como os países estão remodelando seus planos de equipamento e despesas e como os seus laços regionais estão mudando de acordo com a realidade geopolítica”, destaca o IISS no Balanço Militar 2024.

‌O ano de 2023 terminou com pelo menos oito grandes guerras e dezenas de conflitos armados pelo mundo. A invasão da Ucrânia pela Rússia se prolongou por todo o ano, ainda sem perspectiva de resolução. Em outubro de 2023, o ataque do Hamas em Israel deu início a um conflito que se intensificou e permanece na Faixa de Gaza. Outras disputas violentas atingem países com menor cobertura da mídia como Burkina Faso, Somália, Sudão, Iêmen, Mianmar, Nigéria e Síria.



Por Samantha Maia

Leia também