A Confissão, o Falso Rabino e o Sol da Meia Noite – IREE

Colunistas

A Confissão, o Falso Rabino e o Sol da Meia Noite

Ricardo Dias

Ricardo Dias
É luthier, escritor e músico



Foi tão bonito… A gente acha que o sujeito é um recalcitrante, um mentiroso contumaz, e não. Ele convoca milhares de pessoas para, diante delas, contrito, confessar que ia dar um golpe. Claro, pediu penico (acho pinico mais sonoro…), na forma de perdão para os golpistas. Afinal, anistia, como costuma acontecer por aqui, é ampla, geral e irrestrita e, nisso, acaba perdoando os chefes também.

Entrar na mente de Bolsonaro é entrar num quarto escuro, fedido e mofado. É pouco inteligente. Disse que Lula não se entregaria à justiça se não tivesse um plano B. Ou seja, se se entregar, haverá dentro daquele tugúrio algum plano brilhante, como os do Cebolinha para derrotar a Mônica. Ou do Coiote para pegar o Papa Léguas.

Mas talvez seja muito mais difícil entender um bolsonarista. No momento, clamam por Israel, país cristão, segundo eles. Mal sabem que lá tem casamento do mesmo sexo e aborto. Mas mesmo que saibam, não faz diferença. O cérebro deles é composto de uma bolinha de gude numa latinha, não conseguem fazer associações mais complexas. Nem menos. Israel, mesmo: defendê-lo implica em defender uma matança sem sentido. Imagine que dentro de uma favela haja um comando central de onde parte violência. Agora imagine que a polícia, para atacá-los, saia matando todo mundo em volta! Isso, então… Então… Ahn… Pera, mau exemplo! Taí, acho que comecei a entender o amor dos bolsominions por Israel!

Mas numa coisa eles são melhores que nós, os civilizados: na propaganda. O excelente livro “A Mente de Hitler” de Walter Langer nos conta como funciona, ente outras coisas, a propaganda nazista. E uma das características é não deixar espaço para nada, tem que ser maciça. E eles fazem isso maravilhosamente bem. Berram mentiras o tempo todo, o gado se alimenta delas como alfafa. E o governo ainda não descobriu como reagir. Precisamos de uma pessoa como Janones, que não se preocupa em dar cotovelada na pleura, para ocupar esses espaços. Durante as eleições, o TikTok e o Kwai ferviam de mensagens deles, e praticamente nada nosso. Ora, estes meios são a essência do bolsonarismo, vídeos curtos, sem muita necessidade de concentração. E eles têm uma arma ridícula, porém poderosa: videntes.

Apesar da Bíblia os condenar, os crentes adoram. Apelidam de profetas, para ficar mais palatável, e tome de profecia; a mais perigosa e mais repetida: Bolsonaro será preso, mas haverá revolta popular (vitoriosa). Isso é pré-incitação. E tem videntes esotéricos, também, que sabem das coisas, que afirmam que Lula não durará muito, que só está vivo por causa da força das forças do mal, que os EUA têm provas da fraude nas eleições (e deve ter tido mesmo: fraudam a eleição presidencial mas deixam eleger uma maioria parlamentar, de forma a deixar o país ingovernável. Isso tem MUITA lógica), que Bolsonaro é um dos arcanjos do bem e coisas assim. Ah, e tem o sempiterno Edir Macedo, que nos avisa que não faz diferença se Israel está certo ou está errado: Deus protege eles, e ai de quem se insurgir contra. O Brasil que se cuide. Como o bom Edir andou fazendo cosplay de rabino, deve saber do que está falando. E está complicado reclamar de Israel; apontar seus erros gera um enorme clamor, sempre lembrando o Holocausto. Bem, isso implica em coisas complexas: por exemplo, implica em que a dor judaica é maior que a dor de outros. A dor palestina não é tão grande pois não morreram 6 milhões deles. Well, então vamos chamar congoleses para debater com eles, pois morreram mais de 10 milhões sob a tirania do bondoso rei Leopoldo. Eles ganham de 10 a 6.

Ah, mas o Hamas começou!

O Hamas é repulsivo. Ponto. Não ajudam em NADA a causa palestina – que, aliás, também não são muito queridos pelos demais países árabes. Mas o Estado de Israel foi construído também pelo terrorismo, do Irgun, do Palmach, do Haganah. Menachen Begin, por exemplo, foi terrorista. Mas foram terroristas “do bem”, pelo visto.

Mas aqui o grande problema é que, por conta da péssima comunicação do Governo, o gado cresce. Está ficando igual à Índia, com o gado espalhado pelas ruas. Como até a próxima eleição não dará tempo de alfabetizar todo mundo, precisamos melhorar nossa comunicação. Ou a reação, de preferência pacífica, como a da Gaviões da Fiel, que impediu bolsominions voltando da gadeata de entrar no metrô. Eu, pessoalmente, cortei relações com os piores fanáticos, incluindo alguns agora ex-parentes. Mas talvez devesse ter tido mais paciência e ter tentado mais, não sei. Afinal, as pessoas mudam. Um dos mais radicais terraplanistas veio a público declarar que se converteu, a terra é uma esfera. Isso exigiu do rapaz muita força moral, aplaudamo-lo, mas ele precisou ir aos confins da Terra para observar o Sol da Meia Noite, que seria impossível no modelo que defendia.

Isso pode dar certo, talvez possamos fazer algo parecido com o gado: levar todos para assistir ao sol da meia noite nascer quadrado.



Os artigos de autoria dos colunistas não representam necessariamente a opinião do IREE.

Ricardo Dias

Tem formação de Violonista Clássico e é luthier há mais de 30 anos, além de ser escritor, compositor e músico. É moderador do maior fórum de violão clássico em língua portuguesa (violao.org), um dos maiores do mundo no tema e também autor do livro “Sérgio Abreu – uma biografia”.

Leia também