A urgência da luta democrática

02/04/2018 por Guilherme Boulos


O Brasil assistiu estarrecido ao assassinato bárbaro da vereadora carioca Marielle Franco, do PSOL. Marielle era uma das lideranças políticas mais combativas e promissoras do Rio de Janeiro, que não temia denunciar abusos policiais, das milícias e se opunha à intervenção militar no estado. Mulher, negra e vinda da favela era expressão das vozes para as quais a política brasileira costuma fechar as portas. Foi alvejada covardemente quando saía de um compromisso próximo ao centro da cidade. Os tiros também mataram Anderson Gomes, seu motorista.

O assassinato de Marielle, ainda sem solução, foi um crime político que carrega uma mensagem de intimidação. Seus assassinos não pretenderam disfarçar, não simularam assalto ou acidente – como ocorre com frequência no extermínio de jovens periféricos ou mesmo de lideranças sociais. Não, deixaram claro que foi uma execução, bárbara e crua, sem qualquer simulação. Atitude própria de quem está seguro da impunidade e quer demonstrar força através da violência.

Não por acaso o crime ganhou repercussão internacional e gerou uma onda inédita de comoção e solidariedade. Exigir justiça para Marielle, além de um compromisso com sua memória e com seus familiares, significa defender o que ainda resta de princípios democráticos em nosso país.

Passados menos de dez dias do assassinato, a violência política seguiu produzindo cenas deploráveis no Brasil. Lula levou adiante sua caravana de campanha no sul, mesmo enfrentando ataques de grupos de ruralistas e seguidores de Jair Bolsonaro. Paulo Frateschi, assessor do ex-presidente, teve a orelha mutilada por uma pedra. Foram cenas de selvageria, que culminaram com o disparo de quatro tiros contra os ônibus da caravana de Lula. Atiraram contra dois ex-presidentes da República – Dilma também estava na caravana. Qual será o próximo passo?

O agravamento do quadro político do país é visível a olho nu e agora deteriora-se em violência política direta. Tempos de crise das instituições podem ser seguidos por avanços ou por retrocessos democráticos. Mexem com dois sentimentos opostos: a esperança e o medo. Quando prevalece este último, abre-se a alameda do autoritarismo e surgem “salvadores” em nome da ordem e de preceitos intolerantes. Foi num momento de crise e desesperança, nos anos 1930, que surgiu o fascismo na Europa. As saídas autoritárias brotam da insegurança e nutrem-se do medo. Que isso nos sirva de aviso.

Aliás, um importante colunista de jornal relatou conversas de um ministro de Temer cogitando abertamente a não realização de eleições neste ano. Pode ser bravata, é verdade, mas o envenenamento do ambiente político brasileiro não permite descartar qualquer cenário. O possível absurdo da prisão de Lula pode agravar ainda mais o quadro. O momento exige de todos defensores da democracia vigilância e atitude. Sem deixar de apresentar as necessárias diferenças no debate político de rumos para o país precisamos organizar as fileiras contra a escalada de violência política. Urge uma mesa de defesa da democracia, que envolva os atores políticos do campo progressista, para barrar enquanto é tempo a onda de ódio e agressões fascistas no Brasil.


Tags: Brasil, Democracia, Lula, Marielle Franco, política,

Posts relacionados


Delfim Netto: “estamos jogando fora um patrimônio nacional”

O economista diz que torce para que haja “um mínimo de inteligência” para preservar a expertise de mais de 70 anos que detêm as empresas brasileiras do setor de infraestrutura. Ele defende a punição de acionistas e executivos envolvidos na Lava Jato, mas pede que as empresas sejam preservadas

Saiba mais

Timothy Power faz um diagnóstico da democracia brasileira pós-impeachment

O diretor do Programa de Estudos Brasileiros do Latin American Centre da Universidade de Oxford, Timothy Power, faz um diagnóstico da democracia brasileira pós-impeachment, do papel do Brasil na América Latina e analisa o quadro de candidaturas à presidência da República em 2018.

Saiba mais

“A Igreja católica não é curral eleitoral para ninguém”

O Padre Júlio Lancelotti, militante em defesa dos Direitos Humanos, sobretudo de moradores de rua em São Paulo, fala sobre o ativismo político das igrejas, sobre o que ele chama de falta de coerência do Judiciário e da sua ação em defesa dos “refugiados urbanos”.

Saiba mais

Walfrido Jorge Warde Júnior é advogado, mestre em direito pela Universidade de Nova York, doutor em direito comercial pela USP e presidente do IREE