“É um perigo o candidato da direita se fortalecer”

20/04/2018 por ireebrasil


Entrevistado da IREETV logo após a prisão do ex-presidente Lula, o cientista político José Álvaro Moisés avalia os efeitos da reclusão do até então líder nas pesquisas eleitorais.  Outro ponto abordado por ele é o quadro de pré-candidatos apresentados até agora. Segundo ele, há uma carência de nomes. Além disso, para José Álvaro Moisés, faltam propostas concretas dos pré-candidatos para áreas sensíveis e, sobretudo, para o combate efetivo da corrupção. Ele também rechaçou a efetividade da “frente de esquerda” que vem sendo costurada pelas lideranças petistas.

Na segunda parte da entrevista, Moisés aborda a disputa pelo “centro” e a movimentação dos partidos que pode, na avaliação dele, abrir espaço para o avanço de extremistas, com discursos que tenham aceitação por parte da população. Ele também comenta os embates entre os ministros do Supremo Tribunal Federal.

“Há uma carência de candidatos nesta eleição” | José Álvaro Moisés | Parte 1

É um perigo o candidato de direita se fortalecer | José Álvaro Moisés | Parte 2


Tags: centro, direita, eleições, esquerda, José Álvaro Moisés, Lula, pesquisas eleitorais,

Vídeos relacionados


“A Igreja católica não é curral eleitoral para ninguém”

O Padre Júlio Lancelotti, militante em defesa dos Direitos Humanos, sobretudo de moradores de rua em São Paulo, fala sobre o ativismo político das igrejas, sobre o que ele chama de falta de coerência do Judiciário e da sua ação em defesa dos “refugiados urbanos”.

Saiba mais

“O custo de entrada na democracia brasileira é alto. E por isso a renovação é baixa”

O cientista político e professor do Insper Fernando Luís Schüler prevê em entrevista à IREE TV que, em que pese os muitos movimentos de renovação da política surgidos recentemente no Brasil, a renovação da representatividade nas próximas eleições deve ser baixa

Saiba mais

“Falta alguém disposto a ser o campeão da reforma previdenciária”

O economista Alexandre Schwartsman projeta os efeitos do adiamento da discussão sobre a reforma da Previdência, diz que a responsabilidade é grande sobre o próximo governo e analisa o discurso “de centro” defendido por uma parcela dos possíveis candidatos na eleição presidencial deste ano.

Saiba mais